Páginas

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Desenhada em meu altar

Eu quis alcançar o alto do altar
Onde lhe-desenhei
Mas meus braços não a alcançava
E cada vez mais distante ficava de ti
Cada vez mais querendo
Cada vez precisando
Cada vez mais amando
Como uma estatua em olhar frio olhava para mim
Sem se importar
Sem ver meu sangue e suor que ficava no chão
Então desisti de lutar
Não por deixar de te amar
Mas por te amar de mais
E não ter mais força para lutar
Por não aguentar mais sofrer
E pensar que hoje possa estar com outro
É meu martírio
Saber que você é humana
E não a deusa que criei

Nenhum comentário:

Postar um comentário