Páginas

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Mas...

De ante mão confesso que preciso dela
Não para viver, mas para ser feliz
É tão frio os dias, e acordar sem ela ao lado
Nem ela sabe o quanto a falta dela me faz penar
Nestes meus dias de solidão
Sozinho fico acordado pensando na vida a vagar
Maior distancia não há do que não saber onde ela esta
Cabe a mim achar um jeito de afagar essa dor
Mas não se esquece assim alguém que foi o motivo de sua felicidade
Acho até que nunca se esquece quando a amor foi de verdade
Mas como dizem o tempo ameniza tudo
Ela não foi a única e nem a primeira que eu amei
E de nenhuma delas esqueci
Não tem como apagar as vidas que vivemos
Sendo assim a vida continua
E como disse ao inicio
Não preciso dela para viver
Mas como eu a queria em meus braços agora me fazendo feliz

Um comentário:

  1. Grata pela visita, palavras e carinho. Também gosto de passar por aqui, adoro teus escritos... me emocionam.

    ResponderExcluir