Páginas

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sai de mim

Como não me abalar
Se faz questão de aparecer para mim
Onde menos espero
E quando procuro-te você some
Como ter calma e frieza se me atentas
Se me atormentas, se meche com minhas lembranças
Atordulha minha mente
Embaralhando minhas ações
Tirando-me da reta que tento traçar em minha vida
Que teria rumo diferente de ti
Queria eu viver alheio a lembranças
A amargura que tenho
E ao pranto que me trás

Nenhum comentário:

Postar um comentário