Páginas

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Liberte-me de ti

Ainda que eu vice teus olhos, que estão distantes
Pudesse tocar sua miragem, que me aparece
E sentir teu cheiro, com aquele doce perfume
Você me acharia sem reação
Pois te amar é o que não quero mais
Talvez encontre-me chorando em algum canto
Lutando comigo mesmo
Com minha vontade
De mais uma vez te amar
Você é o demonio que me atormenta
Meu castigo diário
O fantasma que me assombra
Como se foce minha propria sombra
Segui-me por onde andar

E voce me tem na mão
E como toda a mulher voce sabe
Sabe como usar suas armas de sedução
Ou pode-se dizer "tortura"
Você despedaçou meu coração
E, não contente, vem nele para pisar
Guarda com sigo o unico remedio que pode me curar
Só que seu coração você não da para ninguém
Você, mulher, que me sufoca sem eu te beijar
Que me deixa cego, e perdido no tempo
Liberte-me de ti

Nenhum comentário:

Postar um comentário