Páginas

domingo, 26 de agosto de 2012

Perdida

Esqueça tudo
Esqueça o mundo
Pense em mim
Este eu
Que vive aprisionado
Pensando em teus carinhos
Que vê teu planto pelo seu rosto a fora escorrer

Para que viver no sofrimento
Dando amor a quem não à ama
Desprezando o apelo deste eu
Que por ti sofre ao lhe ver sofrer
Por alguem que não a quer
Escute esta suplica que quer sua murmuria saciar
Em meus braços amparar-te o flagelo que outro amor a ti faz

Ao te ver na rua passar
Toda linda, e de cabeça baixa
Como arrependida e sem rumo
Em frente aos outros meche no celular
De longe da para notar
É só para desfaçar
Que com ninguém quer falar

Sinto as vezes que até procura viver assim
Perdida
Naufragada no mar de pranto
Não mostra suas reais lagrimas
Mais espera que outros sentem pena de ti
E que nunca vê este eu
Que te procura
E tenta te arrastar para fora deste abismo que a cada dia se afunda mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário