Páginas

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Deserto

Em silencio eu grito seu nome

Sem resposta mais uma vez fico eu

No que meus dias se transformaram no que vivo

O castigo do crime que nem sei qual é, e se cometi

Aonde e quando a vida eu perdi

Por que, por livre e espontânea vontade levado

Aonde no deserto da solidão deixaste-me

A ultima vez que gritei seu nome

Você olhou para traz, e mesmo assim partiu

Um comentário: