Páginas

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

186

A alma perdida
Que em busca de algo que não sabe o que é
Tudo parece ser

Propriamente se engana
Nada é errado
Nada é certo.

Tudo não passa de uma ilusão
Neste percurso, de tanto se iludir, acaba iludindo a tudo
Nada é real, nunca foi, quem sabe?

Não foi fingimento
não foi espetáculo montado para tripudiar
Em revelações relatava o que o confundia das suas falcas certeza ou não.
Via o desfiladeiro caindo por sobre a estrada traçada de quem por ventura encontrou no caminho
Percebendo que mataria, foi a contar a possível historia, que salvaria a vida da estrada marcada.
Contra a vontade deixou gravado no caminho por onde passaria antes da fatídica tragédia, com a esperança de um entendimento talvez...

Musicas:

Nenhum comentário:

Postar um comentário