Páginas

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

86

Eu morri
Agora que estou morto
Percebo que nunca cheguei a viver
Eu sempre estava morto
Mesmo assim continuava a fazer minhas obrigações de vivo
Pouca diferença a de agora para antes
Não preciso aturar mais os vivos
Com suas falsas alegrias
Não sinto mais fome
Não sinto mais frio
Não durmo
Somente a vagar
Sem rumo
Isso é igual à antes

Nenhum comentário:

Postar um comentário