Páginas

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

65

Minha bondade vai até ande quero que vá
A ira controla a maldade
Estes que não tem limite nem fim
O caminho percorrido já sei décor
Passei por seus atalhos
E tropecei nos buracos
Nesta corrida não corro mais obrigado
Somente quando quero

Nenhum comentário:

Postar um comentário