Páginas

sábado, 10 de setembro de 2011

56

Ouso soar o tom metódico da sinfonia da alma em desespero
Melodia agonizante que traz inquietação insuportável
Apesar de tanta amargura o planto não desse
Não adianta lagrimas de auto-piedade par convencer o destino a mudar seus rumos
O tormento me martiriza escravizando minha alma
O feitor é o destino com o chicote da maldade deixando vergões e cicatrizes de sofrimento
Sou preso em liberdade acorrentado com a saudade e a solidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário